BLOG

Entenda como a guerra na Ucrânia impacta o agronegócio brasileiro

Em meio ao cenário de medo e incertezas, surge a grande preocupação: como a guerra na Ucrânia impacta o agronegócio brasileiro?
guerra na Ucrânia

Após os desafios trazidos pela pandemia, e os bons resultados de 2021, a expectativa era promissora para o setor agropecuário brasileiro em 2022. Mas isso foi antes do presidente da Rússia, Vladimir Putin, invadir o território ucraniano. Em meio ao cenário de medo e incertezas, surge a grande preocupação: como a guerra na Ucrânia impacta o agronegócio brasileiro? 

Primeiramente, é importante analisar alguns dados desses países. Juntas, Rússia e Ucrânia concentram 28% da produção mundial de trigo e 20% do milho. Somente a Rússia responde por 13% do mercado global de fertilizantes e 12% do de petróleo.

Além disso, a Rússia é o sexto país de quem o Brasil mais importa produtos, sendo os fertilizantes químicos o primeiro da lista. Apesar do receio, analistas indicam que, no curto prazo, a guerra na Ucrânia não impacta o agronegócio brasileiro fortemente, apesar de já ser registrada alta no preço dos fertilizantes. 

Tudo deve depender das sanções impostas pelos outros países, como o conflito deve se desenrolar e, claro, o tempo que levará. Em uma perspectiva “otimista”, talvez o agro sinta os efeitos na próxima safra, o que deve incluir insumos mais caros, entre outros. 

Preço de fertilizantes sobe até 5,8% no Brasil 

De acordo com um levantamento realizado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a pedido do CNN Brasil Business, os preços dos fertilizantes usados pelo agronegócio brasileiro aumentaram 5,8%, em uma semana após o início da guerra na Ucrânia. Segundo especialistas da CNN, o reajuste de preços não deve impactar fortemente esta safra, mas pode pesar na próxima. 

Atualmente, o Brasil importa três tipos de fertilizantes da Rússia: fosfato monoamônico (MAP), potássio e ureia. A participação de cada um é, respectivamente, 50%, 30% e 20%. Ao todo, o Brasil importa em média US$ 5,7 bilhões em produtos da Rússia, sendo 65% em fertilizantes, conforme dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

O preço não é a única problemática aqui. Desde 2021, o Brasil, assim como o resto do mundo, enfrenta grande dificuldade para comprar fertilizantes. Os principais motivos são a crise energética que afeta a Europa e China, as interrupções das cadeias globais por conta da pandemia, o controle de exportações de alguns países e as sanções contra Belarus. 

O próprio encontro do presidente Jair Bolsonaro com Putin, poucos dias antes da guerra da Ucrânia, e a posição neutra do Brasil diante do conflito são consideradas estratégias para assegurar o fornecimento do insumo, tão relevante para a produção nacional. 

 

guerra na Ucrânia
Brasil é o maior importador mundial de fertilizantes. Rússia é o principal fornecedor brasileiro, qualquer aumento de preços e/ou ameaça de desabastecimento, por conta da guerra na Ucrânia, impacta a produção nacional

Trigo e milho devem encarecer? 

Outro ponto que merece atenção dos players do agronegócio brasileiro, quanto à guerra na Ucrânia, é o preço do trigo e do milho. Consequentemente, dos produtos derivados, incluindo ração animal, o que deve provocar um efeito cascata, encarecendo o valor das carnes. 

Hoje, a Ucrânia é o quarto maior exportador de milho do mundo. Somando a produção dos dois países em confronto, há o equivalente a 60 milhões de toneladas de trigo no mundo. A perspectiva é que um conflito duradouro impacte na produção e leve a uma crise em toda a Europa, que passa a buscar os grãos em outros países. 

Por hora, não há notícias quanto a uma possível restrição ou desabastecimento por parte da Ucrânia ou Rússia. Entretanto, há um certo receio global já que a guerra na Ucrânia está acontecendo em regiões próximas de produtoras de milho e trigo, e abril é tradicionalmente a época que os produtores começam a semear o trigo.

Atualmente, o maior exportador de trigo para o Brasil é a Argentina, o que ajuda a manter valores mais controlados no curto prazo, mas uma possível crise na Europa pode mudar esse cenário. Além disso, há o fato que o mercado internacional tende a reagir imediatamente conforme as notícias da guerra na Ucrânia se intensificam.

Assine nossa newsletter e fique por dentro de mais notícias que impactam seus negócios! 

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

VEJA TAMBÉM

Concessionárias autorizadas com quais trabalhamos